Cadastre-se e receba o melhor conteúdo sobre a ABC Construções:

Obrigado por se cadastrar!
Desculpe, mas algo deu errado. Por favor, tente novamente.

Antes de dar o primeiro passo na operação de crédito é essencial ter conhecimento do processo de amortização da dívida do financiamento imobiliário. Separamos um post todinho para esse tema, que tem sido motivo de dúvidas entre vários leitores e consumidores. Confira!

O que é amortização?

Amortização, no mercado financeiro, significa quitar algumas parcelas de determinada dívida. A amortização pode ser feita de duas maneiras: para redução dos juros ou para diminuição do tempo de pagamento do financiamento independentemente do sistema de amortização escolhido.

Existem 3 principais sistemas de amortização:

 

1. SAC (Sistema de Amortização Constante)

É uma forma de amortização que inclui juros nas parcelas do empréstimo ou financiamento. O valor desse tipo de amortização é um valor fixo, que é calculado como base o valor total da dívida, dividido pela quantidade de parcelas.

2. Tabela PRICE

Também conhecida como sistema francês de amortização, a tabela PRICE é muito usada em amortização de pequenos empréstimos e bens como veículos, por exemplo. A tabela PRICE é muito utilizada pelo comércio por utilizar um método de parcelas fixas, o que gera uma sequência de pagamentos uniforme (PMT).

3. SAM (Sistema de Amortização Misto)

Esse sistema de amortização inclui a junção do SAC com a tabela PRICE, o método é bem simples, ele inclui a amortização constante do sistema SAC e também fixa as parcelas por igual como no sistema da tabela PRICE. O diferencial do sistema SAM é que a parcela é calculada com a junção das parcelas SAC e PRICE, gerando parcelas um pouco mais altas, porém, com redução gradativa a longo prazo.

Além desses sistemas de amortização, existem também: sistema de pagamento único, variáveis, americano e alemão.

Qual o melhor momento para amortizar o financiamento?

O melhor momento é aquele em que você tem uma quantia reservada e parada. Geralmente esse dinheiro vem de fundos do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço), que é hoje uma excelente fonte de recursos para quitação e amortização de dívidas junto à Caixa Econômica Federal.

Para realizar a operação de amortização, o banco exige que o cliente não tenha encargos e juros em atraso, além de diferenças de parcelas. Caso o cliente esteja apto a realizar a operação, o processo é iniciado de acordo com o sistema escolhido pelo cliente.

Esse tipo de operação oferece vantagem, quando os juros do financiamento são maiores que os juros dos recursos próprios do cliente.

Em todo o caso, a amortização de parcelas é um excelente caminho para quem tem reservas e deseja se livrar mais rápido de dívidas maiores.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *